A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E O XADREZ: RELATO DA DISPUTA HOMEM VERSUS MÁQUINA

Leo Pasqualini de Andrade, Valério Brusamolin

Resumo


A Inteligência artificial utilizada nos atuais programas para jogar xadrez se consolidou como superior ao raciocínio humano para o jogo, estabilizando as controvérsias que existiam antes de 1997. Naquele ano, o confronto conhecido como “homem versus máquina”, entre o computador Deep Blue e o então campeão mundial de xadrez, Garry Kasparov apareceu nas primeiras páginas de jornais e revistas de todo o mundo. Este artigo descreve, dentro dos estudos de Ciência Tecnologia e Sociedade (CTS), as controvérsias científicas e influências sociais que mudaram o paradigma da supremacia da inteligência humana sobre a inteligência da máquina para o jogo de xadrez e que impulsionou um novo paradigma, o da inteligência artificial sendo utilizada em larga escala de pesquisas. A metodologia utilizada para a narrativa foi a Teoria Ator-Rede (TAR) de Bruno Latour. A revisão bibliográfica tratou sobre a inteligência artificial, o xadrez e o computador Deep Blue. As notícias dos principais jornais e revistas da época no Brasil, livros e filmes clássicos que serviram como base histórica para a narrativa do confronto Homem versus Máquina, observando aspectos sociais, como por exemplo, questões de gênero, a tecnologia que estava sendo desenvolvida e a reação do público e da mídia.


Palavras-chave


Inteligência artificial. Xadrez. Ciências Cognitivas. Teoria Ator-Rede.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.21575/25254782rmetg2020vol5n31195

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Leo Pasqualini de Andrade, Valério Brusamolin

Revista Mundi Engenharia, Tecnologia e Gestão ISSN 2525-4782

Qualis: B4 - Interdisciplinar, B5 - Geografia, B5 - Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo, B5 - Comunicação e Informação, B5 - Engenharias III